Chile / Patagónia

O Sul da Patagónia e Terra do Fogo estão totalmente incluídas na região administrativa de Magalhães e Antártica Chilena (Região XII) cuja capital é Punta Arenas. Esta enorme região inicia-se a norte na remota povoação de Puerto Éden situada nos fiordes perto também do limite norte do Campo de Gelo Sul e estende-se a sul até à Terra do Fogo chilena. Inclui ainda o território chileno da Antártica. A Região de Magalhães abrange assim todo o Chile austral, com um clima agreste, regiões pouco povoadas, montanhas e lagos, glaciares. É uma região inóspita que se inicia a norte com a povoação de Puerto Éden, isolada nos fiordes chilenos, e o início do Campo de Gelo Sul (a maior área com gelo permanente do hemisfério sul fora da Antártica, com uma extensão longitudinal de 350 km e uma área de 13.000 km2). O extremo sul do Campo de Gelo Sul já fica englobado no Parque Nacional Torres del Paine, talvez a maior preciosidade natural desta região. Este Parque Nacional com uma área de 1814 km2 é possivelmente o mais fabuloso do Chile e certamente um dos mais bonitos em todo o mundo (tem por isso uma página a si dedicada neste site). O Glaciar Grey situado no Parque é um dos vários glaciares do Campo de Gelo Sul. A Região de Magalhães inclui ainda as cidades de Puerto Natales, a melhor base para explorar a região e Torres del Paine, e Punta Arenas, a capital e maior cidade do Chile austral, situada junto ao Estreito de Magalhães. Na Terra do Fogo chilena destacam-se as pequenas cidades de Porvenir, em frente a Punta Arenas no Estreito de Magalhães e Puerto Williams na Ilha Navarino, junto ao Canal Beagle. A Terra do Fogo chilena é pouco povoada e além das várias ilhas adjacentes que formam montanhas e canais, destaca-se o Cabo Horn, o ponto mais meridional da América.

Estreito de Magalhães

Estreito de Magalhães é o Estreito que permite a navegação do Oceano Atlântico para o Pacífico sem contornar o agreste Cabo Horn. O seu nome foi atribuído em homenagem ao grande navegador português, Fernão Magalhães, que descobriu o Estreito ao fazer a primeira viagem de circumnavegação do mundo em 1520. Punta Arenas é o porto mais importante nesta região austral da América do Sul e um excelente ponto de escala para os navios que passam pelo Estreito. Do outro do Estreito, em frente a Punta Arenas, fica o pequeno porto de Porvenir com ligações de ferry a Punta Arenas. Porvenir é uma pequena cidade de 6000 habitantes, mas a mais importante na Terra do Fogo chilena. Navegando pelo Estreito de Magalhães, passando Punta Arenas e Fuerte Bulnes, chega-se ao imenso Parque Nacional Alberto D’Agostini, já no Oceano Pacífico a 80 milhas marítimas de Punta Arenas, é mais uma grande maravilha da natureza com glaciares caindo sobre os canais dos fiordes.

Punta Arenas

Punta Arenas é a capital da Região de Magalhães (XII) e a maior cidade do Chile austral com uma população de 115.000 habitantes. O Governo do Chile enviou uma expedição colonizadora para a região em 1843 que, depois de deixar Fuerte Bulnes, fundou Punta Arenas em 1848. Actualmente, Punta Arenas desempenha o mais importante papel de toda a Patagónia chilena e argentina. É a maior cidade e porto da região, localizada junto no Estreito de Magalhães a 3000 km de Santiago. Os principais motivos de interesse na cidade são a praça central com uma elegante estátua de bronze de Fernão Magalhães, a Catedral, o Palácio Sara Braun (Sara Braun foi casada com o português José Nogueira, um dos mais ilustres habitantes da cidade, pioneiro na criação de ovelhas no final do século XIX) e o Museu Salesiano de Borgatello, que oferece uma retrospectiva da região e do seu povo. O Cerro La Cruz oferece vistas fabulosas sobre os telhados coloridos de Punta Arenas e o Estreito de Magalhães.

Reserva de Pinguins Otway

Reserva de Pinguins Otway é uma área protegida no Seno Otway (um canal que se inicia no Oceano Pacífico) 65 km a norte de Punta Arenas, a noroeste da Península Brunswick. Entre os meses de Outubro e Março, reúnem-se aqui seis milhares de Pinguins Magalhânicos com o objectivo de proceder à reprodução. Para o visitante desta colónia de pinguins, o espectáculo da natureza é único e os pinguins são até bastante sociáveis, pois ao estarem habituados a ver humanos, deixam-se aproximar de muito perto e por vezes até parecem posar para as câmaras fotográficas. O acesso à Reserva Otway é feito pela estrada que liga Punta Arenas a Puerto Natales.

Puerto Natales

Puerto Natales é uma cidade de 15.000 habitantes, localizada no Seno (Canal) Ultima Esperanza, 250 km a norte de Punta Arenas. Puerto Natales foi fundada em 1911 e tem como principais actividades a agro-pecuária e o turismo. Na verdade, a cidade é um dos mais importantes centros turísticos da Patagónia, servindo como base para inúmeras actividades na região, sobretudo ligadas ao turismo ecológico e ao contacto com a natureza. Ao redor de Puerto Natales pode-se visitar o fantástico Parque Nacional Torres del Paine, navegar até ao Parque Nacional Bernardo O’Higgins, nos fiordes a norte de Puerto Edén, e deleitar-se com os Glaciares Balmaceda e Serrano, ou mesmo o Parque Nacional de los Glaciares na Argentina, com o seu famoso Glaciar Perito Moreno. De Puerto Natales parte também o cruzeiro a bordo do navio “Puerto Edén” que percorre todos os fiordes chilenos durante 4 dias, chegando a Puerto Montt. A cidade propriamente dita é pequena e pitoresca, com casas de madeira, lojas de artesanato, pequenas empresas familiares que organizam as expedições e uma frente marítima muito agradável com uma baía muito bonita onde se vislumbram logo as montanhas em redor e o Canal Ultima Esperanza. O Pub Ameríndia é ponto obrigatório de paragem à beira-mar, tem um ambiente fantástico onde se reúnem viajantes de todo o mundo.

Parque Nacional de Torres del Paine

Parque Nacional de Torres del Paine é sem dúvida a mais importante maravilha da natureza do Chile austral e eventualmente o mais bonito parque nacional do Chile, apresentando certamente as mais bonitas paisagens em todo o mundo. Situa-se 112 kms a norte de Puerto Natales, na Região de Magalhães e Antártica Chilena (XII). O Parque Nacional tem 181.000 hectares (1810 km2) e foi criado em 1959, tendo sido classificado mais tarde como património mundial. A paisagem é magnífica, constituída por imponentes montanhas, lagos de diferentes cores, glaciares e uma impressionante diversidade de vida selvagem. Os principais destaques são o Lago Sarmiento, Lago Nordenskjold, as montanhas Cuernos del Paine e Torres del Paine, Salto Grande (queda de água), Lago Pehoe, Lago Grey e Glaciar Grey.

No Parque Nacional Torres del Paine, pode referir-se em primeiro lugar o Maciço Paine cujas montanhas são efectivamente o coração do Parque Nacional. Os picos principais do Maciço são os Cuernos del Paine (2600 m), Torres del Paine (2500 m) e o Monte Paine Grande (3050 m), o mais elevado do Parque. Os 3 picos de Torres del Paine assemelham-se mesmo a imponentes torres de granito cujas paredes caem a pique sobre o lago.

Uma vez que uma parte do Campo de Gelo Sul (a maior extensão de gelo permanente em contínuo em todo o hemisfério sul, fora da Antártica, com 350 km) está abrangida pelo Parque Nacional, existem inúmeros lagos e rios que têm origem nos glaciares. Os lagos mais importantes, de poente para nascente, são o Lago Grey, onde termina o Glaciar Grey (a principal ligação no Parque ao Campo de Gelo Sul), Pehoe, Nordenskjold e Sarmiento, sendo este último o maior lago do Parque. Todos estes lagos ficam nas vertentes sul do Maciço Paine. Os Lagos Paine e Dickson são mais pequenos e ficam nas vertentes norte, com acesso já mais bem difícil, uma vez que a entrada do parque e a maior parte das estradas ficam na parte sul das montanhas do Maciço Paine. A Laguna Amarga fica a norte do Lago Sarmiento. A beleza dos lagos contrastando com as montanhas é impressionante e é bem real a sensação que cada lago tem uma cor diferente entre vários tons de azul ao verde.

Os principais rios são Pingo, Serrano, Grey e Paine, este último o mais importante fazendo um percurso desde o Lago Dickson, contornando o Maciço a leste e cruzando vários lagos até terminar no Lago Toro, no extremo sul do Parque. No seu curso, o Rio Paine tem 3 quedas de água espectaculares: Paine, Salto Grande e Salto Chico.

O Parque Nacional Torres del Paine serve de habitat natural de várias espécies selvagens como os guanacos, ñandus, alguns pumas, condores e também outras espécies de aves austrais.

O Parque Nacional tem poucas estradas, mas que permitem chegar aos pontos mais importantes, possibilitando vislumbrar e encantar-se com as paisagens mais bonitas do planeta. Entrando pelo lado da sede administrativa do Parque, junto ao Lago Toro, há uma estrada para a esquerda que termina perto do Lago Grey, onde é preciso percorrer um trilho e atravessar uma ponte suspensa de madeira para chegar ao Lago Grey. Nesse ponto existe como que uma grande praia de areia e andando mais para a frente, contornando a margem oriental do lago, tem-se vistas impressionantes sobre o Glaciar Grey e os enormes blocos de gelo que flutuam na água do lago. Na sede administrativa, há outra estrada para a direita que percorre a margem dos lagos Pehoe e Nordenskjold, permitindo a observação dos Cuernos del Paine e, mais para a frente, há uma bifurcação que, à esquerda passa junto à Laguna Amarga, permitindo observar as Torres del Paine, ou à direita percorre a margem norte do Lago Sarmiento, chegando por fim a outra das entradas do parque.
Para quem quer desfrutar da natureza durante vários dias, pode caminhar por uma das várias trilhas disponíveis que oferecem pontos para campismo ou abrigos. A principal rota é eventualmente o Circuito Paine que pode durar 7 a 10 dias caminhando e passa pelos principais pontos do Parque Nacional Torres del Paine.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *