Europa

Cruzar o Báltico em low-cost

O modo mais fácil de cruzar o Mar Báltico nas várias direcções é embarcar num cruzeiro que com todo o conforto o leva às várias capitais situadas neste mar. No entanto, não é isso que aqui vamos propor. Existem ligações de ferry-boat entre as várias cidades, algumas que obrigam a passar uma noite. Estas ligações são surpreendentemente baratas, mesmo incluindo a reserva de uma cabine para dormir que não tem o mesmo conforto de um navio de cruzeiro mas tem o suficiente para a ocasião. Estes navios são enormes e têm muitas vezes espectáculos à noite, restaurantes, bares e diversão para crianças. Oferecem sobretudo uma experiência social inigualável pois são utilizados pelos locais, desde os que vão simplesmente divertir-se durante um fim-de-semana a outra cidade com bebidas mais baratas a bordo a camionistas que estão numa etapa do seu percurso. É muito interessante.

Explore a página da Suécia

Explore a página da Estónia

Explore a página da Finlândia

O itinerário que definimos começa em Estocolmo, segue para Tallin no seu maior troço que obriga a pernoitar no navio. Daqui continuamos numa pequena viagem para Helsínquia. Se optar por visitar ainda São Petersburgo na Rússia, pode apanhar um comboio em Helsínquia ou também um ferry-boat daqui ou de Tallin. Se continuar sem esta opção, sugerimos apanhar um comboio para Turku, a segunda maior cidade da Finlândia e aí novamente um ferry-boat de regresso a Estocolmo. O itinerário desta viagem propõe:

  • 3 dias em Estocolmo
  • 2 dias em Tallin
  • 2 dias em Helsínquia
  • 2 dias em Turku e regresso a Estocolmo

Começamos então esta viagem na lindíssima cidade de Estocolmo que tem muitos encantos e locais a visitar. No Verão conseguimos inclusivamente nadar nas suas águas numa praia urbana. É uma cidade de mar, ilhas e muitos canais. A arquitectura é imponente e existem diversos museus a visitar sendo de destacar o imperdível Vasa que é o nome do navio do século XVII em exposição que foi recuperado. O centro histórico da cidade chama-se Gamla Stan e concentra os edifícios mais históricos, desde a catedral ao palácio real. O Arquipélago de Estocolmo é uma formação de cerca de 30000 ilhas e ilhotas que se estende de Estocolmo por 60 km para leste. Entre as ilhas forma-se o canal que permite a saída dos grande navios de Estocolmo em direcção ao Mar Báltico. Este percurso é fantástico serpenteando entre as ilhas entre paisagens verdejantes com pequenas casas de campo coloridas.

Chegar de manhã a Tallin oferece uma visão fantástica desta bonita capital da Estónia. Ao contrário do que se poderia pensar, a língua estónia não é eslava como o russo, mas sim uma variante do finlandês. No entanto, a Finlândia nunca foi uma das potências ocupantes desta pequena nação que incluíram a Dinamarca, Alemanha, Suécia e Rússia. O centro histórico de Tallin é impressionante por ser um museu vivo de todos esses pedaços de história, desde o fantásticos edifícios do tempo da Liga Hanseática à catedral luterana dos suecos ou a imponente catedral ortodoxa dos russos.

De Tallin para Hensínquia é uma pequena viagem num hovercraft e a chegada à capital finlandesa também é marcante ao se vislumbrar a imponente Catedral Luterana. Helsínquia não tem um centro histórico medieval mas antes largas avenidas e uma enorme vocação para as artes e o design, sendo disso exemplo a arquitectura de vários períodos e autores. A viagem continua para Turku que é a cidade mais antiga do país e cuja comunidade tem uma grande influência sueca. Daqui apanha-se o ferry-boat de volta a Estocolmo, fazendo uma escala em Marieham, um arquipélago finlandês. Esta navegação é diurna e não necessita cabine.

Preço estimado

700 € por pessoa em quarto duplo com pequeno-almoço, incluindo:

  • Voo ida-volta Estocolmo
  • 3 viagens de navio, uma delas com 1 noite em cabine
  • Comboio Helsínquia-Turku
  • 9 noites em alojamento 3 estrelas ou apartamento

Quando ir

Para viajar a territórios tão setentrionais e aproveitar bem a luz do Verão, os meses ideais são Junho e Julho. No entanto, desde Abril até Setembro é sempre agradável visitar estes países, sabendo à partida que a chuva pode ser mais abundante fora do Verão.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *